segunda-feira, 8 de julho de 2013

A curva


Há uma curva. Uma curva que sobe e depois desce. Podia ser ao contrário descer para depois subir, mas não, sobe e depois desce. Sobe porque de um dado ponto onde nada se tem só se pode subir ou então manter apenas e só a mesma continuidade recta. Então sobe-se, e como se gostar de subir, as vistas aumentam, a paisagem melhora, o mundo parece estar aos nossos pés e o Sol está mais perto assim como as estrelas. Devagar ou depressa sobe-se. Com os pés assentes na terra ou completamente alheados de tudo sobe-se. A consciência de subir vai-se perdendo, porque a perspectiva de que se sobe só é percebida noutra vertente. E eis que se atinge o vértice, o topo, ou julga-se que se atinge o mesmo, e pensa-se que é apenas mais uma etapa, da qual se vai apenas continuar, subindo. Mas não. lentamente começa-se a descer. Ao início nem se tem consciência disso, pensa-se que é um atalho, uma outra curva, desta feita na horizontal. E desce-se. Devagar ou rapidamente. E é então que se começa a ter consciência, a verdadeira consciência de que se subiu antes, que se esteve lá no alto, no cume, no vértice maior, e agora aquilo que se vislumbra é somente o chão, e nada mais do que o chão e com ele a razão, a realidade pura e dura, o pensar de como foi bom a subida, ainda que a subida não tenha levado a lugar algum, apenas ao fabrico de uma memória e é essa memória que nos desconsola, porque gostaríamos de voltar a subir mas não sabemos como, gostaríamos de voltar a sentir a leveza e a esperança de poder tocar o Sol e a Lua, que acabamos por nunca tocar. No fundo subimos e descemos para aprendermos que por vezes nada se atinge a não ser a ilusão de poder atingir. No entanto gostaríamos de sentir somente o inicio da curva ascendente, mesmo que não subisse-mos mais, ficar ali a aguardar e a sentir aquilo que é um cheiro de ilusão tendo no entanto outro pé bem assente na terra, uma mistura equilibrada, mas quase impossível.

4 comentários:

GATA disse...

Eu desconfio que a minha curva desceu e não volta a subir, pois já desceu há tanto tempo que certamente ficou 'presa' nos fundos...

hierra disse...

Olha eu mal curvo no sentido ascendente, logo talvez não caía um dia a pique!

Cath Quelque Chose disse...

É a chamada curva perigosa.
Em que parte da curva sentes que estás?

L'Enfant Terrible disse...

Não estou numa curva, estou numa onda sinusoidal!