quinta-feira, 18 de julho de 2013

Do tudo e do nada


Estamos sempre há espera que algo aconteça. Algo de diferente, algo que quebre a rotina, que surja de forma inopinada e sem esperarmos. Mas esse algo que esperamos sem esperar tem de ser bom, algo positivo e não negativo, porque esse último dispensamos bem.
Por outro lado, tantas e tantas vezes, vivemos em stress, em alvoroço, com mil e uma coisas para fazer e novidades a bombardear-nos a toda a hora, ao ponto de não termos estômago para as digerir a todas. Então apelemos ao desejo de tranquilidade, de rotina, onde sabemos como vai começar e acabar o dia, e sim, vamo-nos sentir bem com isso, mas só até ao ponto de nos enjoarmos.
Em suma, somos e seremos sempre inconstantes, inconformados, nunca estamos bem com o que temos e queremos sempre mais, esquecendo que não conseguimos igualmente lidar com o demais. No fundo queremos tudo, ao mesmo tempo que queremos nada.

2 comentários:

hierra disse...

Podes crer!

GATA disse...

Eu vivo, tal como o Antonio Vega, "esperando nada"...