terça-feira, 9 de julho de 2013


Facilmente se muda de figura perante os outros, se passa de pessoa interessante a pessoa chata e aborrecida. Normalmente quando se conhece alguém a primeira impressão é a que marca mais, e se por um lado podemos achar que há ali algo mais para ser descoberto, também rapidamente se percebe que se apostou no número errado e aquilo que era ou parecia ser acaba por não ser. A nossa capacidade de avaliação é algo sui generis, isto porque está dependente de muitos factores, sendo que da mesma forma que avaliamos também nós somos avaliados no mesmo instante, e por vezes a reacção a isso acaba por ser aquela que mais influência tem na forma como se pondera. Mas já diz o povo e com razão, que mais vale cair em graça do que ser engraçado, isto porque ultrapassado que está um dado ponto, podemos ser tudo e mais alguma coisa, aquilo que somos e não somos, mas perante os outros somos uma e uma coisa só, ou interessantes ou aborrecidos  e se alguma inflexão há nunca mais regressamos à primeira forma. 

2 comentários:

S* disse...

Tento ser sempre natural, mas a verdade é que usamos sempre uma capa.

GATA disse...

Eu raramente caio em graça, e de engraçada tenho nada, sou o que sou, há quem goste e quem não goste, paciência...