quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Sim, eu sei que sou do contra!

Aqui há uns tempos uma colega de trabalho argumentava que as mulheres são tão capazes como os homens, que em muitos casos essa igualdade não é manifesta em diversos aspectos. Até aqui eu não tinha nada contra, no entanto salientei que de facto há trabalhos em que das duas uma, ou as mulheres dedicam-se ao culturismo e ficam com um bícepe maior que a minha coxa, estando igualmente na disposição de se sujarem e terem as mãos feitas num oito de tão gretadas e inchadas ou então não conseguiriam igualar os homens em certos trabalhos. O que fui dizer. Começou a olhar-me de soslaio e disse-me logo que isso não era bem assim, que se havia certos trabalhos que não eram feitos por mulheres tal devia-se, simplesmente e só, ao modo monopolista como os homens não permitem que elas os façam. Fiquei com a ideia que não estávamos a falar do mesmo, mas adiante, quando fomos a passar uma porta não a deixei passar à frente, depois noutra porta, mais uma vez não a deixei passar à frente de propósito, até que finalmente ela me diz:
- Bolas isso é que é cavalheirismo!
Ao que eu respondi um tanto assarapantado:
- Então mas não querias ser tratada de forma igual aos homens? Pensei que cavalheirismo era uma forma de machismo!

Ficou a olhar para mim visivelmente irritada. Pois é, vá-se lá perceber as mulheres!

4 comentários:

S* disse...

Eu não misturo as coisas. Quero ser tratada de forma igual, claro, mas acho que o cavalheirismo é uma forma de mimar as mulheres e que nada tem de mal.

hierra disse...

O cavalheirismo nada tem a ver com a igualdade entre sexos!
Por outro lado, aposto que uma mulher se se predispusesse a trabalhar nas obras, trabalhava como um homem. Claro que no primeiro dia ficaria com as mãos gretadas e tal, mas depois ia ganhando calo. Eu até aposto que se tentasse era capaz de conseguir mudar um pneu, só que prefiro armar-me em gaja. E agora para mandar uma bicada, eu tinha um colega de escritório que se fundia uma lâmpada e não era capaz de a mudar, era eu que subia o escadote e mudava, logo estamos conversados!

GATA disse...

Cavalheirismo é uma coisa - e fica sempre bem, ainda que esteja em desuso, tendo em conta a quantidade de machos que se comporta como os homens das cavernas nos acessos aos espaços, mas adiante... Oportunidade de Igualdade é outra!!!

Eu sou uma senhora, e feminina, mas, 'chez gata', sou eu que faço tudo - só não arrasto móveis grandes porque tenho um problema músculo-esquelético (mas se os móveis forem pequenos, a bem ou a mal, arrastam-se!)

Blackye disse...

Isso não é atitude de uma pessoa feminista. Eu sou uma mulher (e acho que sou feminista) e gostava que em certos casos as mulheres fossem tratadas da mesma forma que os homens. Se houver inteligência, percebe-se facilmente que as mulheres (algumas! porque há outras que têm força para derrubar um homem e há homens que não têm muita força) não têm as mesmas capacidades que os homens. Eu por exemplo encontro-me numa área predominada por homens. Existem mulheres também a trabalhar, mas de forma nenhuma se pensará que uma mulher possa fazer TODAS as mesmas coisas que um homem faz. Haja igualdade sim, mas inteligência também!
Quanto ao cavalheirismo, não sei se tem a ver ou não, mas penso que pressupõe que a mulher é um ser mais frágil e sensível que o homem e portanto merecedor de atenção por parte deste (estou eu aqui dizendo o que acho). Admito que é muito mais agradável encontrar um homem que trate a mulher assim que um que seja brutamontes e estúpido com ela.