segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Ser democrata é ser amigo

Ser democrata é ser amigo, amigo de outros amigos democratas e os amigos servem para as ocasiões, sendo que as ocasiões fazem os amigos. Os amigos apoiam-se uns aos outros, sempre!, sejam quais forem as ocasiões e aquilo que por vezes pode ser duvidoso não deve ser nunca questionado, porque a amizade fala sempre mais alto ou então aquilo que uns fazem que pode ser censurável é igualmente feito por todos e por isso acaba por cair na mais perfeita normalidade. Ser democrata é ser amigo e os amigos tornam-se amigos por conveniência, por subserviência ou pelo facto de terem pontos em comum e esses pontos podem ser de todas as naturezas ou mais algumas. Ser democrata é não ser radical, é não trazer à baila aquilo que pode incomodar, ser politicamente correcto acima de tudo, nunca fazer uma crítica que seja, apoiar sempre aqueles que também se dizem democratas, porque se o dizem é porque são, e se o são é porque são amigos, ou querem ser amigos, ou querem que nós sejamos amigos deles e se o querem é porque só podem ser democratas, e claro, amigos.

Depois há os que querem colocar em causa uma amizade, se o fazem é porque não podem ser democratas, porque um democrata defende sempre a amizade, pelo que o seu contrário só pode por isso ser defensor do extremismo, do totalitarismo, da ditadura e sobretudo da corrupção, esse verme de que tanto se fala mas poucos compreendem ou conseguem ver e que jamais, em tempo algum, infecta um democrata, porque ser democrata é estar por si só imune à corrupção devido ao facto de ter amigos, dado que a amizade é uma força poderosa, que consegue expurgar toda e qualquer infecção, por mais grave que seja. Mas os que não têm amigos, que por conseguinte não são democratas, esses sim, estão infectados de tudo e mais alguma coisa, porque têm inveja, ciúme, preconceitos e dados a práticas criminosas. Os democratas no entanto sobressaem dessa poça lamacenta, onde abunda a inveja, o ciúme, o preconceito e a corrupção, porque conseguem olhar e encontrar imediatamente outros democratas, pessoas que têm os mesmos interesses comuns, as mesmas práticas aparentemente dignas, a mesma fibra moral e por isso, tão facilmente e com tanta garra, fazem e defendem amigos, porque um amigo nunca trai outro amigo!  

3 comentários:

Utena Marques disse...

E é o que temos no campo das amizades democratas!

hierra disse...

Meu caro, eu começo a achar que a democracia no geral é quase que uma utopia e nas amizades não há democracias, há ditaduras, ou estás disponível para o que as pessoas querem, quando elas querem, e dizes o que elas querem ouvir, ou estás lixado!

S* disse...

A democracia plena infelizmente nunca existe.