terça-feira, 17 de dezembro de 2013

É Natal...lá lá lá

Chega-se a esta época próxima do Natal, e ainda que haja crise, os centros comerciais estão completamente cheios. É certo que se compra menos, muito menos. É certo que muita gente está ali a fazer contas à vida, a tentar distrair-se, resistindo ao impulsos consumistas que toda a publicidade e espírito da época provocam. Na verdade quem resiste são os seus bolsos, vazios, ou pouco cheios, o que em muitos casos faz denotar a expressão de tristeza, de cansaço, em rostos e faces cada vez mais deprimidos. Tal contrasta com os rostos anteriores, de há uns anos atrás, onde se via uma mistura de egoísmo e vaidade. Ainda assim reparei em algo estranho, na feira de vaidades que se tornaram os nossos espaços comerciais, há quem olhe ainda para o que os outros compram, a qualidade, a quantidade e distinguem-se dois tipos de criaturas, as que compram o que podem e olham com inveja para aquelas que compram mais e melhor, e as outras, que compram muito, fazendo questão de olhar todos os outros de cima para baixo como que a fazer notar a falta de meios destes últimos. Parece-me por isso que o Natal, com crise ou sem crise, continua igualmente a ser a época que demonstra o quanto somos desiguais uns dos outros.

4 comentários:

S* disse...

A crise sente-se e bem... mas o consumismo costuma falar sempre bem alto.

Utena Marques disse...

A verdade é mesmo essa!
Continua a mesquinhez do ser humano

GATA disse...

O Natal passa-me ao lado, e eu passo ao lado do Natal... e sobretudo dos centros comerciais em Dezembro!

A Minha Essência disse...

É por estas e outras que não saímos da cepa torta.