quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Porquê?

A pergunta persiste. Porquê? E porquê a razão de ainda nos perguntarmos porquê. Como se essa idade já devesse ter passado, essa fase estar superada. Mas não. Continua, mantêm-se, grita ainda em nós como um pirro que nunca se cala. Por vezes parece ter desaparecido, mas tal é apenas temporário, ilusório até. E se tantas vezes apetece perguntar o porquê, tantas outras preferíamos não ter nada para dizer, muito menos para indagar. Mas o problema maior dá-se quando não nos conseguimos ver livres da sua insistência, do facto de tal nos controlar até certo ponto, ao ponto de ser já o hábito, de nada passar sem ser questionado, quase como que a justificar cada golfada de ar que respiramos e também isso nos leva a perguntar, porquê?

3 comentários:

A Minha Essência disse...

Sem perguntas e sem respostas quase nada fazia sentido, parece-me. Porque este é o mote para muitas coisas na nossa vida.

hierra disse...

Já percebi que, vai haver sempre perguntas sem resposta...já nem me incomodo com isso. Se calhar ando conformada !

GATA disse...

Eu irei sempre perguntar "porquê?!" mas nunca irei obter as respostas...