segunda-feira, 14 de julho de 2014

Das expectativas #3

As expectativas mais não são do que aquilo que queremos, aquilo que desejamos e talvez por isso os resultados esperados saem tantas vezes gorados. É natural ter-se expectativas, por vezes é fácil, uma questão de ter ou não ter, de passar ou não passar, de obter ou perder. Contudo, noutros casos a expectativa faz-nos perder numa continuidade, isto é, ficamos a pensar como será e imediatamente já estamos a ver o futuro a médio e longo prazo, a imaginar a partir de uma faísca de pensamento tudo aquilo que gostaríamos que acontecesse. Em suma, vivemos o sonho no pensamento por alguns momentos o que nos faz esperar mais de algo que não sabemos. Depois vem a realidade, definida, crua, fria e caímos, damos um tombo, ficamos desconsolados, apáticos, deprimidos até, simplesmente por nos deixamos ir, ludibriados que fomos somente por um mau cálculo, o qual nos deu alegria por segundos e tristeza por tempo longo e indefinido, e essa expectativa, a negativa, é por si só tão difícil de ter e observar.

1 comentário:

GATA disse...

Eu tenho não criar expectativas mas, de vez em quando, crio... e depois lixo-me! :-(