quarta-feira, 30 de julho de 2014

Falta de paciência

Há dias em que não temos o mais pequeno pingo de paciência. Dias onde o impropério vive agarrada à língua, o palavrão torna-se um monstro indomável manifestando-se não só no aspecto como também em toda a sua profundidade. Depois são pequenas coisas, coisinhas, daquelas que por norma não ligamos mas que atingem agora dimensões continentais. São as pessoas, as pessoazinhas, que sempre disseram as suas parvoíces, parvoicezinhas, que nos soam aos ouvidos como badaladas de um sino. São as atitudes, atitudezinhas, que nos fazem espumar da boca. Por norma a paciência cega-nos, faz-nos tolerar, não ver ainda que vendo, esquecer, superar, não ligar, não dar a mínima. Mas a falta de paciência deixa-nos em alerta, em alerta demais, reparamos em tudo, o mundo torna-se maior, com mais pormenores, mais escuro, mais estúpido, as pessoas tornam-se uma massa disforme encarnando apenas a merda que fazem, a merda que dizem e como tal, torna-se em grandes pedaços de merda que nos repugnam. Talvez seja preciso falta de paciência de vez em quando para vermos mais além, para percebermos os nossos limites na medida que os mesmos, nesse momento, foram ultrapassados e, na maior parte das vezes, não porque desejaríamos ultrapassa-los, mas sim, porque nos obrigaram a ultrapassa-los. É nesse momento que percebemos igualmente o quanto as pessoas conseguem ser chatas, despropositadas, mal-educadas, invejosas, mesquinhas, manhosas, arrogantes, no fundo, é nesse momento que percebemos o lado negativo de muitos que por aí circulam ou sempre soubemos do mesmo mas agora sentimo-lo na pele a abrir em nós uma ferida. Mas da mesma forma sabemos que é apenas uma tempestade, um fenómeno muitas vezes súbito, um instante, que se inicia e tem um final. Resta depois ver quais foram as consequências e qual a quantidade destroços, os quais, na maior parte, somos nos próprios.  

2 comentários:

hierra disse...

Como refiro amiúde no meu blogue, sou 'porreiro pá' em excesso! Por isso, não ligo aos sinais e aos pormenores, só me dá para o fazer quando a coisa já cheira mal. Fora isso, tb tenho dias em que por serem negros e por eu estar muito picuinhas, detecto todas as falhas!

GATA disse...

Eu confesso que o que ganho em idade, perco em paciência... (e agora que estou velha é que comecei a dizer asneiras!!!)