quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Inspirações

Há coisas que nos inspiram e outras que nos fazem perder a inspiração. Por vezes sentimo-nos inspirados mas não sabemos dar-lhe “corda”, usa-la, aproveita-la, tirar da mesma todo o partido e substância possível, espreme-la até mais não e então perdemo-la para ficamos apenas numa memória perdida no meio de tantas outras, ou então nem isso. Depois ponderamos o que poderíamos ter feito, conseguido, conquistado até, mas a dúvida fica, misturada com um suspiro, porque nem sempre sabemos a razão pela qual não aproveitamos tanta coisa quando o momento se dá, talvez por inépcia, desleixo, falta de atenção ou pura burrice. Entretanto há os momentos inspirados, quase divinos, em que metemos mãos-à-obra e fazemos acontecer, ou assim pensamos, mas, quando estamos no meio do processo, de sorriso nos lábios e quase a sentirmo-nos completos eis que salta à nossa frente uma desilusão qualquer, que nos bate como um murro no estômago, deixando-nos sem oxigénio, sem capacidade para fazer o que quer que seja, gela-nos, oprime-nos, torna-nos apáticos e tudo o que estávamos a fazer antes é imediatamente esquecido, posto de lado, tornando-se irrecuperável e sem razão de ser. No final de tudo parece-me que dói mais quebrarem-nos a inspiração do que sermos nós a perde-la.

2 comentários:

hierra disse...

Eu tenho aqui e ali nichos de inspiração que vem do nada e desaparecem no ar sem ter tempo de lhes dar corda!

GATA disse...

Ultimamente ando sem inspiração...