terça-feira, 28 de abril de 2015

Das situações desconfortáveis

Tantas e tantas vezes vemo-nos metidos em situações desconfortáveis.
Algumas acontecem sem estarmos à espera e quanto a essas não há solução possível, a não ser fugir se possível ou ficar ali a tentar digerir a coisa o melhor possível.

Outras no entanto, ainda não aconteceram mas já nos deixam desconfortáveis e quanto a estas as dificuldades são várias. Desde logo o que fazer para as evitar, ou melhor dizendo qual a desculpa a dar para não termos de as aguentar. Depois, porque na maioria das vezes, nem sabemos bem ao certo a razão desse desconforto, mesmo antes da situação ter acontecido. Algo dentro de nós retrai-se, um instinto talvez, uma outra qualquer sensação nebulosa que nos leva a tentar evitar ao máximo a situação. Difícil é depois explicar tal pela via da razão, quando é algo que apenas se sente, tanto mais que em muitas ocasiões tal sensação é fácil de se ter, na medida em que a situação poderá apenas ser desconfortável porque é desconhecida, cheia de probabilidades, de combinações que tememos enfrentar por não conhecermos todo o cenário. E isso claro está, condiciona-nos, mais do que outra coisa qualquer. No entanto, fruto da vivência de algum tempo, há sempre situações cujo mínimo sinal de aproximação, levam sempre a dar um passo para trás sem muita hesitação. Para essas o verídico é imediato, se bem que tantas vezes estamos enganados e seria muito melhor ultrapassar o “trauma”, esperando algo melhor daquela vez. De uma forma ou de outra, ninguém gosta de se encontrar em determinadas situações, haverá sempre aquelas que nos constrangem mais do que outras, sendo que essas são aquelas que procuramos evitar, o que espelha, que por muito aventureiros e corajosos que possamos ser, muito desinibidos e fortes, há sempre algo que evitamos, de forma compreensível ou incompreensível e limar essas arestas deverá ser actividade para uma vida inteira.

3 comentários:

hierra disse...

Ninguém é absolutamente temerário. O ser humano comporta sempre uma série de medos, alguns inconscientes face aos quais, pouco ou nada conseguimos fazer, mas ainda assim estão lá. Situações constrangedoras devemos evitar mas, uma vez metidos na situação é que percebemos, ao tentar sair delas, quão fortes nós somos. Uma pessoa só é realmente feliz, fora da sua zona de conforto!

hierra disse...

Ninguém é absolutamente temerário. O ser humano comporta sempre uma série de medos, alguns inconscientes face aos quais, pouco ou nada conseguimos fazer, mas ainda assim estão lá. Situações constrangedoras devemos evitar mas, uma vez metidos na situação é que percebemos, ao tentar sair delas, quão fortes nós somos. Uma pessoa só é realmente feliz, fora da sua zona de conforto!

GATA disse...

Há traumas que dificilmente se ultrapassam... pelo que temos que aprender a (sobre)viver com eles.