quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Estático

Encontramo-nos parados no tempo quando tudo à nossa volta avança, altera-se, renova-se. Tudo menos nós, que nos encontramos estanques, estáticos, cravados no mesmo sítio como uma árvore, sem mexer, apenas abanando um pouco de vez em quando, julgando que isso é movimento. E só nos apercebemos da nossa imobilidade quando reparamos que há coisas que não existem mais, que avançaram, que evoluíram, espelhando em nós a nossa imobilidade, a inconspicuidade que nos prende, que não nos deixa mover. Olhando para trás muitos poderão dizer o quanto o tempo passou, sendo que o mesmo é dizer o quanto a vida deu uma volta, o quanto se fez, o quanto se alterou. Para os outros no entanto, o tempo é estático, o ontem poderia ser hoje, o anteontem idem e por aí a fora. Mas aquilo que mais dói, talvez, é ter a sensação que o amanhã será igual, assim como o depois de amanhã, pelo que o horizonte é infinito e parece ser impossível de alcançar.  

1 comentário:

GATA disse...

Há uma frase de uma canção dos Keane que diz "everybody's changing and I don't feel the same"... A vida passa por mim mas eu sinto que não vivo...