segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Errar

Não existem verdades absolutas, no entanto, se há coisa que é absoluta é a vida, porque só temos esta para viver e pouco tempo para o fazer. Gostaríamos de ter mais oportunidades, de poder fazer reset muitas mais vezes, voltar ao inicio, começar, errar e voltar a jogar. Mas não. Vivemos, erramos e passamos metade do tempo a reparar/apagar os erros, os quais tantas vezes não têm forma de serem de apagados ou reparados. Sentimo-nos presos a eles porque eles de facto nos prendem, a atenção, o tempo, a vontade, as energias e viver passa somente a ser isso e nada mais. No entanto, se o conseguimos fazer, receamos cometer novos erros e no receio vive a morte, o estatismo, a falta de vontade de tudo fazer, de arriscar, porque pensamos que liberdade é não estarmos presos, mas presos estamos se nos escusamos a viver.

2 comentários:

AC disse...

Há quem se esqueça de viver. Mesmo com erros, mesmo com recomeços é seguir em frente, apreciar tudo o que está à nossa volta e nunca deixar de nas pequenas coisas tentar ser feliz.

Luto para ser feliz todos os dias. Se consigo? Nem sempre!

Beijinho:))

GATA disse...

Como diz aquele anúncio sobre o consumo de álcool durante a gravidez: "há erros que duram para a vida"... por mais que se tente reparar, não se consegue 'apagar'... é como uma tatuagem invisível que fica marcada no corpo para sempre.