quarta-feira, 27 de abril de 2016

Existem determinados assuntos sobre os quais não sei o que pensar. Não que sejam pouco importantes, com falta de relevância no âmbito geral, mas pura e simplesmente não sei que opinião deva ter sobre mesmos, se é que é possível por vezes ter uma opinião sequer. Isso acontece, talvez, porque existem assuntos sobre os quais há, à partida, uma ideia feita do que é correcto opinar sobre os mesmos, pelo que, tendo-se outra perspectiva ou não se tendo perspectiva nenhuma, tal parece tornar-nos insensíveis aos olhos dos outros, numa persona non grata, cruel ou desprovida de sentimentos. E isto, quando ainda estamos a pensar no que dizer, apenas e só porque não proferimos a frase que se espera, como se de um reflexo se tratasse.

É verdade que existem assuntos que se resumem a preto e branco, em que não há possibilidade de cinzentos, contudo, muitos há em que é difícil fazer uma destrinça tão antagónica, pelo que, com tantos outros problemas que há, mais aqueles que nos acodem pessoalmente, nem sempre podemos ter uma carteira recheada de frases feitas só porque é politicamente correcto. Até porque, para se ter uma opinião sobre qualquer assunto, é preciso ponderar sobre o mesmo, e da mesma forma que há situações susceptíveis de debate, sem que do mesmo haja consenso, existem muitos assuntos que abordamos de forma diferente ou não abordamos sequer. No fim o que está verdadeiramente em causa, é que o facto de estarmos desligados de determinados assuntos leva-nos a abordar os mesmos com a razão, ao passo que outros os abordam com a emoção, pelo que, confrontados com tal, não pensam, apenas reagem.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Diferenças entre homens e mulheres #29

Enquanto os homens só pensam em sexo, as mulheres só pensam no cenário à volta do mesmo!

sexta-feira, 8 de abril de 2016

As bofetadas

Ora estava eu nas minhas andanças e eis que hoje (sim, só hoje) soube da polémica que levou à destituição do ministro da cultura, essa fraca figura, a qual, dado o porte físico, assustará somente alguma mosca mais distraída. Mas ao que parece o senhor, com aquele ar pachorrento, é dado à violência…um momento, violência não, “violênciazinha” será o termo mais correcto. Aparentemente o dito senhor sentiu-se ofendido porque alguém escreveu o que não gostou e como tal, para parecer um verdadeiro macho latino (vertente essa que muitos desconheciam), ofereceu umas bofetadas gratuitas. Contudo parece-me que o dito senhor equivocou-se, porque, macho que é macho não oferece umas “salutares bofetadas”, oferecesse antes uns “murros nos cornos” (notaram a diferença de tom? É que faz toda a diferença). Isso de oferecer bofetadas talvez fizesse sentido se ao invés de um ministro da cultura, tivéssemos tido uma ministra da cultura, aí sim, a coisa estava enquadrada. Pior ainda é que ele ofereceu as bofetadas, mas reacções não houve, a não ser a sua destituição, indignação por parte dos visados e um coro de riso pela restante população. Se ele tivesse antes feito uma ameaça em condições, ou ao invés de estar com promessas, partir para os actos, aí a malta talvez simpatizasse com o tipo, ou pelo menos ganhava-lhe algum respeito, pensariam “epá, este gajo não é para brincadeiras”!
Espero que a TVI tome nota deste episódio e na próxima edição da “Casa dos Degredos” convide João Soares, porque se ele é moço para andar à bofetada, ainda que seja algo muito pouco macho, é um candidato perfeito e haverá muita gente que não resistirá à curiosidade de querer ver a proficiência do senhor no que diz respeito a andar ao estalo.

Posto isto, se o mesmo com este post se sentir ofendido e me vier oferecer umas bofetadas, sejam salutares ou não, fica já avisado que é melhor pôr-se fino, pois pode muito bem encontrar o que procura!